De casa

… é na madrugada, quando todos se recolhem que me deparo frente as telas, imagens, fotos passadas, lembranças do dia que acaba de ir e com as expectativas do dia que chega. penso em tudo que venho fazendo, optando, escolhendo, provando e deixando de lado. há coisas que não fazem o menor sentido, mas me livro da vaidade e apenas vou com o ritmo – canção, cantiga, ou qualquer som que me deixe desnorteado, por que há tempos abortei de um caminho. e havia tantas razões, aprendidas desde a infância, para que eu negasse qualquer atalho, sabor ou prazer momentâneo e vazio, mas seja lá o que for esse ‘quê‘ sem fundamento, ele já é plano de fundo para uma estória que eu tenho vivido. eu não me reconheço mais. nem me compreendo. eu e essa sala vazia dentro de mim. eu e este desconcerto. bastaria-me uma prece sincera, mas ainda não a tenho. choro com saudades de um outro de mim. e choro pelo desejo de reencontrar os rostos ‘de casa‘, a cama com o colchão nem tão mole nem tão duro, a cadela preta que não esquece meu cheiro, o templo amigo e os amigos do templo. haverá tempo assim? haverá de novo apenas por já ter havido? (…) não sei.

2 comentários sobre “De casa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *