Entrevista com Larissa Geovana – @luademarevazia

Estreando a coluna de entrevistas aqui do blog trago Larissa Geovana, a escritora por trás do perfil @luademarevazia!

Sem título 1

“O que é isso?
É o feminismo
Que você tanto odeia
Estampado na minha cara
E correndo nas minhas veias. “

Larissa Geovana de Paiva Batista, 20anos, assina seus versos e textos sob o perfil Lua de Maré Vazia. Nascida em Anápolis-GO. Se define como “uma pessoa de total calmaria, alto astral e bastante comunicativa…”. Ela chegou a iniciar a graduação em Arquitetura e Urbanismo, mas com o passar do curso percebeu que a coisa não era para ela, a partir de então tem se dedicado integralmente à escrita. Mas pretende ingressar no curso de Letras no próximo ano. Larissa desenvolve um projeto cultural no qual ministro oficinas e palestras em escolas acerca do processo criativo do escritor e participa de eventos como saraus e recitais.

A seguir, você confere a entrevista que fiz com essa poetisa de sotaque carregado que vem construindo uma poesia forte, embarcada em muita emoção e que reflete muitas experiências e uma observação apurada da vida ao redor.

Sem título 2

“No tracejado de cada lápis, sou eu quem habita.
Na ponta de cada caneta, são meus sonhos que gritam.
Na última gota de cada aquarela, são as minhas lágrimas que vivem.”

O que gosta de fazer, além de escrever?
Gosto muito de desenhar, embora eu não seja muito boa com isso gosto de me arriscar nas aquarelas, faço até algumas ilustrações para acompanhar minhas poesias. Gosto também de ir ao teatro, cinema, fazer uma caminhada pelo parque no entardecer, gosto de bares que tocam músicas que me agradem e sobretudo amo ficar em casa com meus animais de estimação, duas cachorrinhas e uma gata super fofa e peluda.

Possui alguma filosofia de vida?
Não tenho nenhuma filosofia de vida bem definida, nem muitas crenças ou religião, mas tento sempre fazer o bem para as pessoas. Acredito que o respeito e o amor são fundamentais em qualquer convívio, e no mais eu busco a felicidade constantemente, acho que isso é o sentido vida.

De onde veio o interesse pela leitura e pela escrita?
Essa é sempre uma pergunta que me deixa numa saia justa, eu não sei ao certo em que momento da minha vida esse interesse despertou dentro de mim, mas lembro que na minha época de colégio mais ou menos no 9° ano eu não era uma aluna muito boa e nem tinha muitos amigos então ia para a biblioteca e lá ficava apreciando os livros, nesse período dois livros me marcaram muito: Os Miseráveis de Victor Hugo e Eles Morrem Você Mata que não me lembro mais o autor, mas era um livro de suspense com uma capa verde absolutamente inesquecível. As primeiras poesias que escrevi foram quando entrei no ensino médio, tive uma amiga que escrevia e tinha um blog de poesias isso de alguma forma me inspirou bastante a escrever e divulgar minhas palavras a partir daí nunca mais parei de escrever e divulgar na internet tudo isso.

O que você costuma ler?
Costumo ler crônicas e poesias~. Meus autores preferidos são: Fabrício Carpinejar, Millan Kundera, Marçal Aquino, Ferreira Gullar, Carlos Drummond De Andrade, Cecília Meireles, Adélia Prado, Vinícius de Moraes, Cora Coralina, João Cabral de Melo Neto, Manoel de Barros, Gabriel García Márquez, Fernando Pessoa e vários outros escritores da minha geração que acompanho pelas redes sociais.

Quantos livros em média você lê por ano?
Só esse ano já devo ter iniciado a leitura de uns 10 livros e nem chegamos no segundo semestre, mas um defeito meu é que dificilmente dou continuidade nas leituras e então vou acumulando vários na cabeceira da cama. Mas em média devo ler completamente uns 8 livros ao ano.

Sem título 3

“Sou muito mais do que
Carrego por entre as pernas.
Sou muito mais do que os
Estereótipos que me puseram há décadas.

Sou homem, mulher, transexual e travesti.
Sou lésbica, sou gay, sou bi.
Sou tudo que sou e quiser ser.
Sou de verdade sim!

Mulheres de barba e homens de peito.
Segure-se sociedade, pois sou assim por direito.
Mulheres de barba e homens de saia.
Segure-se sociedade, pois agora ninguém mais nos para.”

Você teria algum poema seu que é mais especial ou que lhe marcou? Por quê?
Os poemas que escrevo direcionados a alguém quase sempre são os que mais me marcam. Há um cujo título é Arranhar-te As Costas, que escrevi no dia que conheci meu atual namorado. É de uma paixão imensa e retrata absolutamente bem o que eu sentia naquele instante. Há outros dois que também sou apaixonada, Tropicália, que fala um pouco sobre o período da ditadura brasileira e o outro chama-se Quem É O Samba, poema que me fez vencer um concurso de poesia e foi selecionado para compor uma antologia comemorativa de 100 anos de samba.

Para você o que é e poesia?
A poesia para mim é uma forma de representar a vida. Através dela represento meus sentimentos, pensamentos e desejos. Ela me dá voz para poder falar sobre temas que nem sempre são ouvidos com atenção pelas pessoas.

Na sua opinião a pessoa nasce poeta ou aprende a ser?
Acredito que todos nós nascemos poesia e a vida nos faz ser poetas. Com o passar dos anos vamos aprendendo a transcrever para o papel toda essa poesia que carregamos conosco.

Uma metáfora da vida?
Durante a vida somos todos lagartas dentro do casulo.

Dos gêneros que você ainda não experimentou o que pretende escrever?
Nunca escrevi romance, mas pretendo escrever um que seja marcante.

Quais os projetos que você participa atualmente?
Atualmente participo de um projeto cultural chamado A Casa Soberba, é um projeto independente formado por vários artistas, a ideia inicial é que nós nos reuníssemos quinzenalmente para uma apresentação de Teatro, Poesia e Música para apenas 15 pessoas dentro de uma casa, contudo o projeto cresceu e passamos a ser convidados para apresentações em escolas e palestras. Organizamos também o Sarau Soberbo e o Luau soberbo que abrangem de 30 até 100 pessoas quando realizados. Sou também integrante de outro projeto, chamado Coletivo Além do Gram, que reúne escritores de todo o Brasil, que divulgam seus trabalhos através do Instagram, criando uma teia de comunicação e publicação entre os escritores e os leitores.

Sem título 4

( … )

Parte da nossa entrevista foi gravada. Ouça abaixo:

Você pode conhecer a produção da Larissa através dos links:

Instagram: @luademarevazia

Página no facebook:  www.facebook.com/luademarevazia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *