O HOMEM QUE PINTAVA CORPOS





Vê as pessoas como telas brancas; dedos são pinceis, as suas palavras são as variações das cor. De mão livre percorre a pele dando à ela o símbolo imaginado. Não se trata de meros desenhos, não há barganha no rascunho, há sentido no traçado. Soma-se à sua técnica apurada a doçura capaz de capturar a marca tão sonhada. Ele ensina que tatuar a pele não é um ato banal, mas uma escolha perpétua que deve traduzir muito mais a essência do que a aparência. Há beleza, há conceito estético, mas no fim das contas, há cumplicidade. São sentimentos gravados na epiderme. E é isso me faz querer ser tela.



***

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *