Poesia concreta


Há algum tempo venho postando meus poemas concretos aqui no blog. Tudo isso, como parte de uma pesquisa (nada muito científico) que venho fazendo à medida que conheço o mundo do concretismo.
Então resolvi fazer um post sobre o tema.

O site Wikipédia apresenta estas informações acerca do surgimento da Poesia Concreta: ”Na história da Literatura brasileira, a Poesia Concreta foi criada por autores como Décio Pignatari, Haroldo de Campos e Augusto de Campos com o objetivo de mudança, visando um novo tipo de expressão, baseada em princípios experimentalistas.”

O blog Árvores dos poemas, acrescenta: “A Poesia Concreta nasceu nos anos 50 com o Grupo Noigandres formado por Décio Pignatari e os irmãos Campos, Augusto e Haroldo. Foi lançada oficialmente em 1956 na Exposição Nacional de Arte ConcretaA poesia Concreta influenciou artistas como Lenora de Barros, Caetano Veloso em fase Tropicália, Arnaldo Antunes entre outros artistas.”

***

Ainda estou dando os primeiros passos no concretismo, mas tenho me maravilhado com esse estilo cada vez. A poesia concreta possibilita um alcance diferenciado para a mensagem implícita no texto, permitindo uma relação expoente entre a palavra e a imagem, criando a hiperimagem.

“Quando uma imagem deixa de ser apenas uma ilustração qualquer e expressa uma sensibilidade, passa a ser chamada de Hiperimagem. Esta, consegue nos tocar antes mesmo de ser compreendida na sua totalidade e nos chama a atenção para o que ainda está por vir, além de exigir uma reflexão.”

A poesia concreta valoriza a palavra como um signo, quase que um símbolo e confere a ela facetas variadas no seu entendimento, que estão ligados diretamente a signicação que o leitor aplica sobre a imagem criada. É um ato instatâneo – ver/ler + aplicação de significado.

Na pequena explicação sobre o concretismo o Wikipédia ainda aponta: ”A Poesia Concreta vê importância no espaço gráfico-visual e valoriza os elementos constitutivos da palavra. A função poética está centrada na mensagem. Caracteriza-se pela seleção vocabular na sua elaboração. O principal traço de função poética é o emprego das palavras em sentido conotativo. Qüinqüídio!”

Achei ainda no site Mundo Educação algo sobre os atributos da Poesia Concreta, seriam eles:

– a eliminação do verso;
– o aproveitamento do espaço em branco da página para disposição das palavras;
– a exploração dos aspectos sonoros, visuais e semânticos dos vocábulos;
– o uso de neologismos e termos estrangeiros;
– decomposição das palavras;
– possibilidades de múltiplas leituras.

Vejamos alguns poemas:

Arnaldo Antunes

Haroldo Campos
Essa falta de métrica, essa rebelião da forma, a infinitude de ‘não-formas’ tem me atraído bastante. Não que eu vá me tornar um concretista nato, mas é um campo muito prazeroso para ser explorado.

Pretendo postar mais texto sobre a poesia concreta, até por que ainda tenho muito que aprender dela.

Abaixo, mais um texto de Arnaldo Antunes, que por sinal é genial. Ele brinca com a expressão ”Somos como somos somos cromossomos”. Aqui, ele define nosso ciclo de humanidade sem perder a individualidade expressa no R.

Alguns sites que vale a pena você visitar:

* Haroldo Campos
* Arnaldo Antunes
* Poesia Concreta

Até a próxima.

Um comentário sobre “Poesia concreta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *